Publicado por: Nuno Gouveia | Abril 17, 2008

O debate num post

01h11 – A primeira questão foi sobre a união do Partido Democrata. Uma pergunta para os candidatos poderem brilhar e atacar os republicanos. Nada de novo, portanto.

01h16 – Charlie Gibson questiona directamente Obama sobre o “bittergate“. Obama admite que usou palavras erradas, tentando dar a volta. O que pretendia demonstrar com esse discurso era criticar as políticas de Washington e não as convicções das pessoas. Hillary Clinton volta a falar das suas raízes “pobres” e defende o papel da religião e das armas na vida das pessoas. Mas não atacou Obama sobre esta matéria.

01h21 – Hillary recusa responder a Stephanopolous se Obama não é elegível em Novembro. Primeiro dá a volta à questão, mas depois acaba por dizer que sim, que Obama pode derrotar Mccain. Portanto, não haverá criticas veementes de Hillary. Obama diz basicamente o mesmo: ele é melhor candidato e ambos podem e devem bater Mccain. Nesta mesma questão, ele sente a necessidade de dizer que é um homem de fé. E claro, também acrescenta que tem amigos que gostam de caçar. Como esperava, Obama está a usar este debate para esclarecer as suas declarações em San Francisco. Hillary não está a ser muito agressiva.

01h30 – Gibson refere a questão de Jeremiah Wright. Estes primeiros minutos estão a ser sobre Obama e as suas polémicas. Basicamente, está a repetir os argumentos que já utilizou para repudiar as palavras do seu ex-líder espiritual. Hillary Clinton está a dar uma de “nice”, fazendo como nos debates anteriores. Estes palcos não são para criar polémicas, mas sim para demonstrar que é mais presidenciável. Eu concordo com essa postura. Se ela partisse demasiado ao ataque, poderia criar uma janela de oportunidade para Obama. A vitimização é uma boa estratégia de campanha. Repete algumas das criticas que fez no passado, mas não é muito agressiva. Uma postura calculista, já aguardada.

01h32 – A polémica sobre Wright continua a fazer mossa sobre Obama. Stephanopolous perguntou a Obama se Wright adora os Estados Unidos tanto quando ele. Desvia-se do assunto e não responde. Questionado novamente, Obama diz que Wright é um antigo Marine e de certeza que adora os Estados Unidos. Repudia os seus comentários, mas não a pessoa. O mesmo que já tinha dito. E de certa forma, está correcto.

01h52 – Hillary Clinton passou por maus momentos a responder às questões sobre a Bósnia. Foi mesmo confrontada com um video de um antigo apoiante seu a dizer que ficou desiludido com ela. A honestidade foi colocada em causa. Uma parte negativa no debate. Nesta primeira parte do debate, não houve grande novidade. Vamos ver como corre a segunda parte.

1h59 – A segunda parte começa com a questão do Iraque. Hillary Clinton responde que, mesmo que os militares lhe digam que a “surge” está resultar, ela irá começar a retirada nos primeiros sessenta dias do seu mandato. Hillary diz que quer convencer os outros países, (deverá estar a falar da Europa) a contribuir para a solução no Iraque. O General Petraeus é, neste momento, um aliado de John Mccain nesta matéria. Hillary quer retirar do Iraque e olhar com mais atenção para o Afeganistão. Obama diz basicamente o mesmo nesta questão. Independentemente do que os militares defendam, ambos os candidatos democratas prometem retirar do Iraque imediatamente.

02h05 – O Irão e Médio Oriente. Obama promete ser duro, mas defende que deve haver conversações directas com os inimigos. A política dos Estados Unidos é impedir que “rogue countries” obtenham armas nucleares e o Irão é um desses países. Promete proteger a segurança de Israel e não coloca de fora nenhuma opção. Ou seja, o ataque ao Irão não está fora de questão para Obama. Hillary defende basicamente o mesmo que Obama, apenas dizendo que não se reuniria directamente com Mahmoud Ahmadinejad. Um ataque do Irão a Israel e outros países aliados do Médio Oriente seria uma alavanca para um ataque frontal dos Estados Unidos ao Irão (massive retaliation foi a frase usada por Clinton).

02h13 – A economia entra no debate. Sendo um dos temas que mais preocupa os americanos neste momento, não vai ser uma questão central no debate. Basicamente, os candidatos repetem as fórmulas que têm vindo a defender. Criticam John Mccain por querer continuar as políticas de George W. Bush, nomeadamente nos cortes de impostos para os mais ricos. Neste tema, tal como na esmagadora maioria dos assuntos, os dois candidatos democratas não divergem em quase nada. Se não fosse pelas polémicas entre as duas candidaturas, poderiam ter o mesmo programa político num ticket conjunto. Disso não tenho dúvidas.

02h18 – Aumentar os impostos é uma possibilidade para ambos os candidatos. Para os mais ricos. Esta também é uma velha máxima dos democratas. Hillary prometeu repor os valores dos anos Clinton. Hillary utiliza por diversas vezes o legado de Bill para seu benefício. Mais uma pausa neste debate. Até ao momento, não houve grandes confusões.

02h31 – A questão das armas. Hillary e Obama têm sido, durante a sua carreira política, defensores de políticas de controlo de armas nas ruas. Hillary ultrapassa esta questão e defende que é a favor do proibição das armas de assalto e criar regras de licenciamento. Mas que defende a segunda emenda. Obama defende basicamente o mesmo que Hillary: que os Estados devem e podem regular o uso de armas, mas as pessoas têm a liberdade de usar armas. Basicamente, os democratas querem agradar toda a gente.

02h42 – O debate está a aproximar-se do fim. Nestes últimos minutos falou-se de Affirmative Action, de preços de gasolina, de independência energética… Como tenho vindo a dizer, pouco ou nada distingue estes dois candidatos, em termos de propostas políticas. O que os democratas e independentes americanos estão a escolher é a personalidade: quem for mais credível, honesto, íntegro, mais cativante e carismático será o nomeado democrata. Não são políticas que estão em jogo.. são duas pessoas. Neste momento, os eleitores democratas estão mais entusiasmados com Barack Obama. Apenas falta uma pergunta a cada candidato. Este debate não terá servido para mudar nada nesta corrida. Como esperava.

02h55 – “Why are you a better candidate ?” Esta foi a última pergunta de Charlie Gibson. Respostas normais dos candidatos. Como vim escrevendo nos últimos dias, este debate não foi de confrontação. Obama não é o mesmo candidato dos primeiros debates. Está muito mais seguro e convicto nas suas capacidades. Esteve à altura de um frontrunner. Hillary Clinton esteve, como sempre, muita segura de si, explicando de forma notável a sua candidatura. Não partiu ao ataque, até porque não o podia fazer. Acaba por não ganhar grande coisa neste debate, talvez apenas o suficiente para vencer na Pennsylvania. No resto, tudo igual. Durante o dia de hoje haverá oportunidade para escrever algo mais sobre o debate. (se cometi algum erro nestes posts, peço desculpa, mas não tive tempo de fazer revisão nenhuma)

Anúncios

Responses

  1. Por falar em Jeremiah Wright, saiu a declaração de renda de Obama e em 2007, ele doou 26 mil dolares a igreja de seu pastor:
    Veja no ótimo Blog de Sérgio Davila:
    http://sergiodavila.blog.uol.com.br/


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: