Publicado por: Nuno Gouveia | Outubro 23, 2008

150 mil dólares para roupa

Desde já deixo aqui uma crítica severa a esta polémica. Na política moderna, a imagem é um aspecto fundamental. Os candidatos já gastaram milhões de dólares a cuidar da sua imagem. Pode não ser em roupa, mas é em publicidade televisiva, em páginas de Internet, em cartazes, em chamadas telefónicas, em comícios preparados ao milímetro… Barack Obama já angariou mais de 600 milhões de dólares desde o inicio de 2007, e John Mccain cerca de 300 milhões de dólares. Foram despendidos milhões de dólares em disparidades de diversas áreas, e virem agora criticar o GOP por ter gasto 150 mil dólares para melhorar a imagem de Palin? Será que estavam à espera que a candidata a Vice-presidente andasse em campanha mal vestida? Repare-se no guarda-roupa de Hillary Clinton, Michelle Obama ou Cindy Mccain. Será mais barato? Claro que estamos a falar de três milionárias, coisa que Palin não o é.

Não questiono a campanha de Barack Obama, por ter ido atrás de Palin por causa desta questão. É uma jogada inteligente, pois coloca em causa mais uma vez a candidata a VP. E quando a sua imagem estava a melhorar, esta cartada dos democratas é muito boa. Isso é inquestionável. Em termos de guerrilha política,  é excelente, e não poderiam ter deixado escapar esta oportunidade.

Mas a argumentação não é sólida. E ver apoiantes de Obama a dizer barbaridades, que isto é uma afronta nestes tempos de crise ou que gastar tanto dinheiro em roupa enquanto o americano comum não gasta isso numa vida, isso para mim é simplesmente ridículo. E não será uma afronta gastar milhões de dólares em publicidade televisiva? Ou em staff eleitoral? Ou viagens? E já agora, o que dizem os críticos destes gastos do RNC, quando falamos das compras milionárias de espaços televisivos de meia hora em quase todas as grandes televisões americanas para a próxima semana?

A política em democracia tem custos, nos Estados Unidos talvez em números muito exagerados. Mas quando uma campanha investe para melhorar a imagem do candidato, isso incluí o aspecto visual. Palin não podia apresentar-se ao eleitorado americano com roupa do Wal Mart ou da Zara. Por isso a opção foi a mais correcta.


Responses

  1. A questão é que Hillary, Michele ou Cindy nunca se assumiram como hockey-moms. Estas compram roupa na melhor das hipóteses no Bloomingdales, nunca no Saks ou no Niemann Marcus.

    E quando a notícia foi mostrada na CNN foram feitas comparações com o corte de cabelo de $400 de John Edwards, os sapatos de $500 de Mccain ou os fatos de Obama.

    De qualquer modo 150.000 dólares em roupa, é muita roupa.E não combinam com quem não sabe o nome dos jornais que diz que lê.

    Mas ontem também foi noticiado que a Sra. Palin está a se investigada novamente (a seu pedido) no Troopergate, agora por uma comissão independente, e consta que poderá ser condenada. E também está a ser investigada por ter usado dinheiros públicos para alojar as filhas em hotéis de luxo.

  2. Eu não gosto das gravatas do Obama..muito sem sal..deveria usar uma coisa maia alegre.

  3. Caro Fernando Vaz,

    Eu acho que o RNC deveria ter ido à feira comprar roupa para Palin. Ai seria uma verdadeira Hockey Mom. Obama, anda muito mal vestido. A “New Politics” não se coaduna com o fato tradicional. Ele deveria vestir-se como um hippie, ou sem gravata. Ou então o caro Rómulo, tem razão. Obama deveria usar gravatas coloridas….

    Mccain deveria andar como um bom veterano de guerra, com aqueles chapéus com as medalhas na cabeça. Ah como Hillary Clinton, quando andava a beber whisky no Ohio e na Pennsylvania, não usava a vestimenta de uma boa americana de gema. Até devia ter feito campanha de fato de treino. Lamentável por ter andado a fazer campanha tão bem vestida.

    Essa argumentação dela ter-se assumido como hockey mom, e por isso, dever andar vestida como tal é um profundo disparate. Como disse antes, entendo que a campanha de Obama utilize isso como arma de arremesso político. Parece-me uma jogada certa. Agora os apoiantes fazerem o mesmo parece-me ridículo. Até porque se estão preocupados com os gastos excessivos de ambos os candidatos, então olhem para os 900 milhões de dólares que ambos gastaram.

    Aposto consigo uma coisa: essas investigações todas que se fala, vão morrer pouco após 4 de Novembro. Mas a senhora conseguiu arranjar inimigos mortais para o resto da sua vida. Em todo o mundo. Também se colocou a jeito…

  4. O que mais acaba por interessar, nestas polémicas, é ver os republicanos a ficarem sem o verniz, depois de terem constantemente difundido mensagens de teor inenarrável sobre o adversário. A questão aqui tb não é o facto de os Dem. terem gasto mais em anúncios negativos, é perceber que tipo de ‘negativo’ continham as mensagens. E, encare-se isso, se o conteúdo da campanha Rep. não tivesse sido tão fraquinho, a eleição estaria bem mais renhida.

  5. Concordo que a polémica dos gastos de 150 mil dólares no guarda roupa de Palin é estéril. Se a campanha recebu esse dinheiro, pode gastá-lo como bem entender. Pessoalmente até gostava que gastassem os milhões todos em guarda roupa, deixariam de ter campanha. A única coisa que me emte espécie é a campanha afirmar que todo o guarda roupa vai para caridade no final. Ridículo. Pergunto.me se haverá muito sem abrigo a vestir aquelas roupas depois. Para isso mais valia terem realmente comprado roupa um pouco mais barata com o mesmo dinheiro. Sempre daria para vestir mais gente.

    O que falta aqui é a análise aos gastos de Palin com as viagens que fez levando as filhas às custas do estado do Alasca. Aí sim, parece haver imoralidade. Quanto ao guarda-roupa? Sejamos sérios…

  6. RÔMULO, qual é? As gravatas do Obama são aquelas vendidas em bancas de camelô. Temos que encontar alguma virtude nisso! He, he.

    Abraço à todos!

  7. Se o Obama usasse usasse seda italiana como o MacCain a FOX VULGAR CHANNEL iria noticiar o dia inteiro.

    Abraço à todos!

  8. Esta polémica é uma vergonha, sem dúvida. E a campanha de Obama, quando passar a irracionalidade e se conseguir avaliar as coisas pelo que são, e com os lamentáveis ataques a Palin depois dos lamentáveis ataques a Hillary, ficará seguramente para a história como a campanha mais sexista de que há memória.

    É mais um cúmulo de hipocrisia da campanha de Obama – que de facto é um “bom político” no pior sentido do termo – pegarem em Palin sendo a campanha mais gastadora – e de longe – da história americana. Disgusting.

    E, Fernado Vaz, a Michelle Obama apresenta-se como uma filha de zona sul de Chicado, muito pobre. O que faz com vestidos bastantes caros da Maria Pinto? E os Estados Unidos com tantos outlets tão baratinhos…

    O problema em toda esta polémica é que Palin fica gira na roupa que lhe compraram. Cambada de invejosos.

  9. O “invejosos” ´são, claro, os democratas e imprensa associada, não os comentadores deste blogue. Quis vir esclarecer isto, porque o EA”008 tem das caixas de comentários melhores que eu já li.

  10. “Eu acho que o RNC deveria ter ido à feira comprar roupa para Palin. Ai seria uma verdadeira Hockey Mom””

    Ela não é nem nunca foi uma hockey mom.” Mas quem veste a pele de Hockey mom, deveria abster-se de vestir Prada e Gucci.

    “Mccain deveria andar como um bom veterano de guerra, com aqueles chapéus com as medalhas na cabeça”

    Não precisa. Como viu em Minneapolis am Convenção do GOP estava cheia de senhores assim vestidos.

    “Mas a senhora conseguiu arranjar inimigos mortais para o resto da sua vida”

    “Obama…deveria vestir-se como um hippie”

    Porquê? Afinal formou-se em Harvard enada o liga aos hippies. Nem pelo que faz, nem pelo que diz.

    Não diria tanto. Mas que há muita gente que não gostaria de ver um embrulho Prada com muito pouco conteúdo na Casa Branca ( e já agora, na liderança do Senado, “according to Ms Palin”), lá isso há.

  11. Fenando Vaz,

    Acho sempre engraçado, e até comovente, ver pessoas a explorarem as contradições dos políticos, como faz o Fernando Vaz. Elas existem e são muitas. Só que ao contrário do que o sectarismo possa levar a pensar, isso faz parte da política e de todos os candidatos. E ninguém escapa a estas criticas.

    Poderíamos estar aqui a debater dias e dias sobre as contradições desta campanha eleitoral. E sobre todos os candidatos.

    Obama é o candidato mais milionário de sempre da política americana. Obama prometeu uma coisa em relação ao financiamento publico, e cumpriu outra. Isto não é uma contradicção? E bem mais grave que a sua preocupação sobre os gastos de 150 mil dólares em roupa. Claro que o João André tem razão, que a ideia de dar a roupa para caridade é ridícula. Faz parte do politicamente correcto que eu, pessoalmente, não gosto, mas compreendo.

    Será que a new politics de Obama é investir mais de 700 milhões de dólares numa campanha política. Sem contradições.

    Isso da roupa é pequena política. E baixa diria mesmo. A mesma que o GOP tem feito em muitos Ads. Tal como os Dems. Claro que há quem só veja de um lado. Normal, portanto.

    Por fim, sobre os veteranos de guerra. Em Minneapolis havia muitos, mas também em Denver. E também vi muitos nas manifestações das ruas de Minneapolis.

  12. Parece óbvio que esta é uma jogada baixa da campanha de Obama. Nem merece discussão.

    Finalmente aprenderam, não é por acaso que Obama aparece como provável vencedor destas eleições ao contrário de John Kerry ou Al Gore, pessoas (neste caso campanhas) que não contrariaram as “dirty politics” dos Republicanos e não se saíram tão bem quanto isso.

    O que vai ficar para a história (caso a actual tendência se mantenha) é a imaculada campanha de Obama. Pode nem ter sido brilhante, mas até ao dia de hoje ainda não teve erros com consequência.

    No entanto, Obama ainda não ganhou, só quando os votos forem contados é que estas ou outras lições poderão ser retiradas. Sobre este assunto, é esta história (espero eu) alternativa está deliciosa. http://www.realclearpolitics.com/articles/2008/10/long_national_nightmare.html

  13. Caro Nuno:

    Claro que é baixa política e sem qualquer interesse. Tal como tudo o que fez as pessoas interessarem-se por Sarah Palin.

    Porque é que ela se tornou popular? Pelas suas ideias? Pela sua eloquência? Ou por ter conseguido que muitos americanos , daqueles que vêm a Oprah e o Jerry Springer, e quem sabe o Joe the Plumber se identificassem com ela.

    “a explorarem as contradições dos políticos”

    Ela não se contradiz porque simplesmente não diz. A entrevista a Katie Couric mostrou bem a impreparação da sra.

    PS: Falei dos veteranos pela sua referência.

  14. O mais engraçado é estarmos a discutir a roupa da Pallin. Ao contrário do que possa parecer, isto convém-lhes. Sad but true.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: